quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Como passa depressa!

Parece até meio clichê (quer dizer, meio clichê não – ou é, ou não é – sendo assim, vou começar de novo.)
Minhas duas amadas
Parece clichê, mas é verdade, o tempo voa!

A cada dia que passa temos mais responsabilidades, mais atribuições, seja em nossa casa, em nossa vida pessoal, como os estudos, por exemplo, e principalmente, no trabalho.

A pressão é grande, a exigência pessoal em se fazer tudo sempre certo e com resultados, demanda tempo, sim, estou falando do relógio mesmo! 
 

Minha pequena
Tomo por base, ontem, cheguei em casa com a cabeça a mil, pensando no trabalho, em várias coisas, enfim.

Mas só a festa que ganhei quando entrei no apartamento, apaga todo problema, toda a falta de grana e me transforma no Pai mais feliz do mundo!
E é disso que estou falando, do tempo em apreciar você, seu crescimento. E como passa muito rápido!!!!!

Você leu no último post que você já dá tchau, pois é, isto por que nem estou considerando que você já anda pela casa em seu andador.

E escrevo tudo isso para falar que nem havia me dado conta, mas hoje, 28 de dezembro, faz exatamente um ano que comecei a escrever para você filha, lembra do primeiro texto?
(Oi Bebê) Um ano que já vivemos intensamente esta loucura que é ser pai e no caso da mamãe, mãe  – óbvio.
Um ano de emoções a flor da pele (mais um clichê, né?) e que passou como um foguete por nós.

Uma das minhas fotos preferidas
Acredito que este será o meu último post de 2011, espero que no ano que vem eu possa ser mais regrado e possa viver mais ainda e registrar, não em fotos, mas em minha memória, todos os nossos momentos juntos!


Até o próximo post, em 2012, ok?


Feliz ano novo, filha!!!!!

Tchau!

Calma, não estou abandonando o blog não!

O título deste post é só para marcar os primeiros ensaios que você faz agora com a sua mãozinha, filha.

Você já dá tchau!!!!

É tchau pra mim, tchau pra mamãe, tchau para as suas bonequinhas, até os adesivinhos da parede do seu quarto já ganharam e tiveram a chance de ver a coisa fofa que é esta mãozinha gordinha, virando, para lá e pra cá quando falamos tchau!

Como ainda não flagrei nenhuma cena sua dando tchau para nenhum de nós, fica aqui uma fotinho que também cabe neste título.

Yes!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Olá Mônica. Ops! Millena.

É que você já tem dois dentinhos, filha, tá certo que nem tão grandes e não são na parte de cima da gengiva como os da filha do Maurício (o de Souza), mas já tem, minha dentucinha!!!

Mas o post de hoje não é para falar dos seus dentões ou dentinhos, mas sim para lhe dar o sétimo parabéns, calma, você não está tão velha assim, é que ontem você completou seu sétimo mês de vida fora do barrigão filha e na festa de ontem, muitos bombons, coca-cola e um floresta negra pra você se lambuzar inteira!


São sete meses que nossa vida tem um novo sentido filha, 7 meses de uma alegria que eu nunca havia provado antes, 7 meses de aprendizado, afinal de contas, com você a cada dia, aprendemos algo novo. São 7 meses que me sinto mais novo, com forças renovadas.


Não sei se já escrevi isto aqui ou se já te falei isto, mas enquanto eu viver e tiver forças, comemorarei seu mesniversário, prometo não ser um frisson de “pai fresco”, viu?

E para comemorar, resolvi colocar aqui um clipe de uma banda que é bem legal e garanto, você vai curtir e ouvir muito comigo ainda!



Parabéns filhota!

Amo você!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Tempo, tempo, tempo...

Já faz um tempo que eu não escrevia para você, não é mesmo?

Talvez por estarmos vivendo dias intensos que mesmo às vezes, quando tenho alguns “insigths”, não consigo me concentrar e escrever.
O texto hoje é curto, assim como o meu tempo, sucinto e acho até, que....repetitivo.

Peguei-me olhando umas fotinhos e um vídeo, com uma gargalhada sua em meu celular.

Pena não poder baixá-lo aqui, mas prometo que assim que eu tiver um tempinho, coloco um vídeo de uma risada sua aqui no blog.

Você está crescendo filha, com peso e altura de um bebê de 9 meses, (como faz tempo que escrevi este texto, deve estar até maior do que isso) você já levanta e senta sozinha no seu carrinho, como que fazendo uma abdominal, é fantástico de ver e quando lhe colocamos na cama, você gira um 360º, tudo sozinha.

Isto sem falar que quando você se esforça, já quase que consegue ir, se arrastando, como uma soldadinha atrás, principalmente, do controle remoto da TV.


Garanto que em menos de um mês, já vai engatinhar e fazer seu pai babão, ficar mais babão ainda.

Pois é, o texto, que no princípio seria curto, acabou nem ficando tão curto assim, serviu mesmo para eu dar uma pausa e lembrar da minha pequena grande paixão.

Minha Millena!!!!

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Você é minha força.


E é mesmo filha.

Ontem ao chegar à casa da vovó, eu estava cansado, longe e por motivos que nem cabem aqui, não estava mesmo muito legal.

Mas só até pegar você no colo, ah, aí tudo muda, o mundo volta a ter cor, e os problemas, em um passe de mágica somem.

Com você e por você, sinto-me um super homem!

O que achou?


sábado, 19 de novembro de 2011

Rotina.

Pois então, filha.

No meio de tanta correria a gente sempre acaba engolido, por tudo e no final das contas (ai, contas!) nem percebemos que toda esta velocidade que passa por nós, é a nossa vida.

Cabe a nós, sabermos como aproveitar tudo o que a vida nos oferece em paralelo a esta bagunça, de trânsito, horários cravados, em nossa própria casa, louças, roupas, limpa isso, suja aquilo....vai ali, volta aqui, contas a pagar e afins.

Você já deve ter ouvido Beatles comigo, ou melhor, já ouviu sim!
Mas caso não esteja lembrada, aposto que já está curiosa e depois de ler este post, vai querer ouvir com mais atenção.

O vocalista deles, Jonh Lennon foi um marco, assim como a banda toda, foram ídolos de uma geração que não vivi, as vovós e os vovôs, sim.
Foi um músico fora do normal para sua geração e para o período em que viveu, foi líder de uma banda que revolucionou a música nos anos 60.

Mas te contei um pouco – ou quase nada – desta banda para citar uma frase dele, que diz assim:

Life is what happens while you're busy making other plans.
(A vida é o que lhe acontece, enquanto você está ocupado fazendo outros planos.)

E é isto mesmo Mi, perdemos – literalmente – nosso tempo pensando em como será nosso amanhã, querendo sempre melhorar, querendo nos livrar do cheque especial, trocar de carro ou casa, comprar um celular de última geração e afins.

Sim, devemos pensar em progredir, sempre! Mas com parcimônia.

Devemos nos concentrar em nosso máximo, em nosso trabalho, nos estudos, em todas as nossas responsabilidades diárias.

Honrar sempre – disse sempre - nossos compromissos e nossa palavra, mas devemos também nos doar ao máximo para vivermos o nosso dia intensamente e felizes!

Complicado? Não falei que é uma tarefa fácil.

Então como?

Talvez lembrando sempre de quem amamos, daquilo que gostamos e onde, como e com quem queremos passar estes momentos, seja em casa, na escola ou no trabalho.

E sempre pensando que o bom e o ruim, de um jeito ou de outro, passa. Talvez assim...

Eu também vou tentar fazer isso, prometo!!!

Portanto, Millena, saiba levar a vida.

Seja desencanada, cuca fresca, para que pensando assim como escrevi, os deixemos passar, o bom e o ruim, da melhor maneira possível.

Te amo, princesinha!

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Alô?

Sabe aqueles dias, Mi?

Pois é, hoje é (foi) um deles.

Clima pesado, caras emburradas, o relógio que não andava, complicado.

Mas acontecem algumas coisas para lembrarmos (ou alguém te lembra) daquilo que realmente importa!

Estava eu tão concentrado no que estava fazendo no trabalho, que nem reconheci a mamãe pelo telefone quando ela me ligou.

Ligou para me falar que o Bluetooth do celular dela não estava funcionando e que estava furiosa, pois não estava conseguindo baixar uma música “que era a sua cara”, Mi.

Imagine eu, no meio da tempestade rolando, pensei, mas não falei:
"E ela me ligou pra isso?" Rsrs.

Como se não bastasse, me falou:
"Olha Rô como é linda, vou colocar no telefone pra você ouvir". 

Fiquei lá, de ouvidos atentos e pacientemente, ouvi a música....



Realmente Mi, a letra da música é linda e é mesmo a sua cara.

Ouvindo percebi.

O que vale na nossa vida é isso mesmo, recebermos um telefonema inesperado de alguém que amamos, ouvir uma música que nunca tínhamos ouvido antes e lembrar de quem amamos, sempre!

E não é que a Mamãe acabou me ligando na hora certa?

Ligue sempre hein, Mamãe!!!!

Amo, as duas, viu?  

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Uma arte

Não, dona Millena, ainda não é uma das artes que você ainda aprontará ou, quando você estiver lendo este post, mais uma das que já tenha aprontado.

Com a autorização do seu Tio Veneno (foi assim que ele assinou o desenho que fez), coloco aqui sua primeira ilustração, feita em cima da foto abaixo.

O Alberto trabalhou muitos anos comigo e com a mamãe na agência do tio Pedrinho, ah, lembro dele desenhando a gente no meio daquelas reuniões nada a ver. É um artista de mão cheia e além de diretor de arte, pinta altos quadros!!!!

Veneno, o seu desenho está lindo, mas a que eu fiz ainda é mais bonita, não é?

Obrigado pela lembrança cara!!!

Feita pelo Tio Veneno

Feita pelo Papai e pela Mamãe

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Um sorriso

Impossível, Millena.
Lhe olhar e não marear os meus olhos.
Impossível, Millena.
Lhe olhar e não acreditar que exista algo superior no universo.
Impossível, Millena.
Não agradecer a estes superiores a cada dia por você ser minha filha.
Impossível, Millena.
Acreditar que sou merecedor de tê-la conosco.
Impossível, Millena.
Vê-la sorrindo, não se comover e esquecer todos, disse todos, os problemas, mesmo que por um instante. (imaginem então quando ouço suas gargalhadas – quase os esqueço de vez).
Impossível, Millena.
Encontrar palavras para escrever o quanto lhe amo e o quanto você me inspira.
É impossível, Millena.

Comecei a escrever este projeto de poema (meu primeiro) ao ver estas duas fotos.

Foi nisto tudo que pensei quando as vi.




terça-feira, 1 de novembro de 2011

O tio Glauco

Filha, o tio Glauco é um amigão do seu tio Pedrinho, ele frequentou por anos a casa da bisa e do biso quando eles eram mais jovens, lá era o ponto de encontro da "galera" antes das baladas, baladas muito diferentes e bem melhores do que as de agora (fica esperta em baixinha!).

Você sabe que seu bisavô sempre foi muito querido, um homem sério e trabalhador e de um coração enorme, que o diga a bisa, o tio e o vovô!

E por ser muito amado, sua mudança para a casinha lá de cima deixou muitas saudades no pessoal aqui embaixo e este e-mail que recebi e tomei a liberdade de reproduzir aqui no blog, resume bem o que foi seu biso.

Glauco, obrigado pela lembrança e pelas lindas palavras!!!!


De: Glauco
Enviada em: segunda-feira, 31 de outubro de 2011 10:14
Para: Rodrigo Morelli
Assunto: RES: Para Ler Quando Eu Crescer

Rodrigo

Li o texto do seu blog e fiquei com vontade de escrever alguma coisa sobre o Pedrão para eternizar o nosso sentimento e deixar para a pequena Millena, um depoimento de uma pessoa que não faz parte do seu círculo mais íntimo.

Apesar dos 35 anos que conheço esta família, não convivi com o Pedrão e família o tanto quanto gostaria, mas foi uma convivência intensa que deixou marcas na minha personalidade e no meu caráter.
O início desta relação começou na fase da adolescência, onde nossa cabeça fervia com mil idéias, projetos e.....sexo, bebidas e rock´nroll. (Nota do pai da Millena: Filha, pule a parte do sexo e bebidas, ok? )
E lá estava o Pedrão, com sua cara de bravo para abrandar o nosso fogo e impor limites. 
Cara de bravo, só na fachada, porque ele era um boa praça. Só quem o conhecia sabia que depois daquela bronca, da cara feia, viria uma piada. 
Bom-humor sempre foi um traço da personalidade do seu Biso.

Este senhor foi um pouco o nosso pai, nosso conselheiro, nosso amigo. Lembro de vários momentos, sentados em volta da mesa para uma refeição  ou para um simples café (muitas vezes esperando o seu tio-avó - o seu pontual tio Pedrinho, rsrs - se arrumar...) e muitas, muitas  conversas jogadas ao ar. 

Conversas que somente após alguns anos entendi os significados. 

Eram exemplos de retidão, de como cuidar de uma família, de amor ao próximo, de caridade, de profissionalismo, de como viver com dignidade e.....como amar o Timão, quantos juízes xingados, quantos pernas de pau ele mandou embora do time.... (Nota 2 do pai da Millena: Filha, pule esta parte também, podemos negociar sobre os itens acima que vieram antes do rock´n roll.)

O tempo foi passando, casamos, tivemos filhos e o ritmo da vida fez  a distância das visitas aumentar e rarear, mas o aprendizado ficou gravado na nossa alma.

Sei  que você receberá este mesmo aprendizado dos seus pais e familiares. 
Eles conviveram com o Pedrão muito mais tempo e aprenderam muito mais.

Que a vida lhe dê bons momentos com pessoas extraordinárias, assim como foi seu Biso e é sua Bisa.

Beijos,

Glauco.


domingo, 30 de outubro de 2011

DVD e Ar condicionado

Oi filha!

É com você no meu colo, que conto-te mais uma estória.

Você está chique demais hein, Mi ?

Seu carro agora tem até DVD, pois é nesta sexta-feira adquiri o aparelho que era do seu TioAgo e o final
de semana foi só de sonzera no carro.
Tá certo que a mamãe sempre fala: "Abaixa um pouquinho, Rô", mas quando estamos só nós dois, ah, aí as pedras rolam pra valer.

E foi logo depois do final de semana que ainda no frisson do novo brinquedinho fui, no carro do tio Pedrinho, pra Sumaré, visitar e lançar uma campanha em um cliente.

Como o horário se estendeu, ele não pode ficar e um colega me deixou no metrô na volta.
Chegando no metrô, eu tinha duas opções:

Primeira opção:
Ir para casa direto, chegar antes que você e a mamãe e esperar vocês duas, sozinho, sabe lá, até umas 8 da noite.

Segunda opção:
 Ir para o Tatuapé, a mamãe me pegava com o carro lá e iríamos os 3 juntos pra casa, lá pelas 6 da tarde.

Escolhi a última, afinal eu já estaria no metrô, Barra Funda, linha vermelha, ponto de partida do trem, iria sentado pra chegar no Tatuapé, um tirinho de perto.

Quando o Nelson, este meu colega, atrasado me fala:

"Rodrigo, posso te deixar no metrô Tiradentes?" Quem sabe aqui que o metrô Tiradentes é linha azul?
Eu não sei, ou melhor, sabia.
"Tudo bem, Nelson, sem problemas".

Putz!!!!

Baldeação na estação Sé, as 6 da tarde. Tudo isso pra ver você filha! Rsrsrs.
Eu te amo, mas na verdade só pensava em duas coisas, no ar-condicionado e no DVD do carro.

Enfim, cheguei espremido, amassado e suado no Tatuapé, a mamãe, enrolada no trabalho me permitiu ter tempo de abrir uma cerveja e escolher um DVD novo pra estrear no caminho de volta pra casa.

E não é que você gostou?


Rock´n Roll, bebê.


sábado, 29 de outubro de 2011

Caras e Bocas

Uma imagem, (ou várias), vale mais do que mil palavras....

(para dar um "UP", no blog e na nossa vida)












quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Seu Biso.

Olá Filha!

Escrevo isto para você em um momento muito triste de minha vida e de toda a nossa família, mas eu não poderia deixar de alguma maneira, tentar homenagear e poder lhe contar sobre o meu amado avô.

Nosso Pedrão, o seu biso, partiu.

Garanto que por ter sido um homem bom, um pai bom e um marido amante e amado, está em um lugar bom também, hoje ele está ao lado do Mestre, em uma nuvenzinha bem parecida com aquela em que você morava antes de descer para a sua segunda casinha aqui com o papai e a mamãe.

Fica a saudade.

Penso que eu poderia até ter convivido mais ainda do que convivi com um homem igual ao seu bisavô.

Fica a alegria.

Alegria de ter lhe apresentado a ele, ter colocado você em seu colo no meu primeiro dia dos pais - por ironia, o último dele aqui embaixo conosco - e dele brincando com você e como falava para a bisa o quanto você é linda e quanto ele adorou ter lhe conhecido.

Você não apanhou (no bom sentido, pois o Pedrão era um gozador filha) de bengala dele como eu apanhei nas vezes que bagunçava a mesa ao lado dele no almoço, era engraçado demais.

Você não o viu, em todo o natal, escrevendo sem ninguém ver (ou melhor, todos viam, mas ninguém falava) um nome qualquer em um papelzinho e fingindo engolir, como em desenhos animados e nem viu o Pedrão tentando agarrar e beijar a bisa a força e ela, toda envergonhada, se esquivando dele!

Para o corintiano Pedrão, todos os jogos que o nosso São Paulo ganhava eram roubados, filha. Ele odiava o Rogério Ceni, mas foi com ele e com seu avô que assisti o nosso São Paulo ser campeão da Libertadores de 1992.
Mas o amor dele era mesmo o Corinthians, como ele amava este time!
Lembro em um aniversário dele em que comprei uma camisa do Corinthians de presente e na mesma loja, comprei uma do São Paulo para mim, mandei embrulhar as duas, filha. E na hora do presente, lhe dei a do São Paulo, nossa, como ele ficou bravo, jogou minha camisa no lixo e por pouco não fico com uma camisa novinha, rasgada.

Foi com o seu bisavô que andei de metrô pela primeira vez, aliás, todo final de semana.
Ele e a bisa moravam na rua do recém inaugurado metrô Belém, e antes do almoço de domingo, enquanto ela fazia a macarronada eu e o Pedrão tínhamos compromisso: Andar de metrô.
Ele adorava me ouvir falando Pedro “um”, era como eu lia o nome da estação quando chegávamos na estação D. Pedro I.

Lembro de meu primeiro carro, um escortinho, velhinho, que me deixava na mão quase sempre, e só não quebrava quando estava no mecânico, mas era meu, e nele, eu parecia dirigir um BMW, tinha rodas de XR3, um Pioneer que muito carro zero de pelego não tinha, e o meu carona que ia a todas as lojas comigo, (corajoso hein?) era o Pedrão!

Vejo, como se fosse hoje, a cara de reprovação dele quando viu as palhetas cromadas que coloquei no carro, ele disse:
“Foi colocar esta porcaria que não limpa nada, não sei pra que inventar...”

Este era o seu bisavô, filha, um bom filho, um trabalhador incansável, um professor e um desenhista excelente e um Vovô de mão cheia!

Sei que não termina aqui, sei que logo mais estaremos juntos de novo.

DEUS o abençoe em sua nova casa, meu avô.

Saudades,

Seu neto.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Dia das Crianças e bora Bahêa!

É filha, viu quanta coisa?

É pra compensar o tempo que estou sem escrever pra você.

Semana passada fomos ao shopping Center, seu debute, com o canguru que a mamãe comprou, me senti a pessoa mais feliz do mundo ao passear abraçado com você e todos olhando, apreciando aquilo que eu já sei, a minha riqueza mais linda do mundo.

Fomos lá para escolher um presente de dia das crianças para sua prima, mas só pra ela, pasmem, você acabou ficando sem, tá certo que a mamãe te comprou um mordedor do Backyardigan´s, mas saí da loja com a sensação de “pôxa, primeiro dia das crianças da minha filha e não comprei nada legal pra ela...”.


As princesas com os presentes
 E foi exatamente neste dia das crianças que fui, a trabalho, para um evento em Salvador e na bagagem, além de muita saudade e tristeza de deixar minhas duas pequenas (calma pessoal, ainda não é a irmãzinha da Mi, é assim que chamo minhas amadas, a Mi e a Dri, minhas pequenas), a convicção de, “tenho que trazer um presente “importado” da Bahia pra Millena.”

Taí filha, algodão cru, um trabalho artesanal sensacional que só tem lá e no Rio de Janeiro, chique não?

Feliz 1º dia das crianças atrasado!

Ah, assim que tiver a oportunidade, posto a foto do vestido cheio de Millena!

domingo, 9 de outubro de 2011

Passou tão rápido.

É, minha filha dia 14/10, você completa cinco meses de vida...meu Deus como passou rápido! Tão rápido que volto ao trabalho dia 10, é isso mesmo, segunda-feira.

Escrevo para você na nossa última sexta-feira juntas o dia todo, pois teremos muitas outras, só que agora nos veremos depois do trabalho da mamãe. Confesso que escrevo isso com muitas lágrimas nos olhos, pois meu coração está tão apertado que não sei explicar, fico feliz por rever os amigos e por trabalhar fazendo o que realmente gosto, mas você é tão pequenina, indefesa, meiga, alegre e minha companheira.

Você transformou nossas vidas, antes éramos o papai e eu, mas agora para nós sempre será VOCÊ em primeiro lugar. Claro que o papai e a mamãe pensam e cuidam demais um do outro, mas você é o centro das atenções. Falando nisso...a mamãe ficou super preocupada com o papai, foi segunda-feira de madrugada, ele começou sentindo muito frio, até tremia, medi a temperatura e ele estava mesmo com febre e depois vieram as dores no corpo, e mesmo tomando remédio a febre não baixava.

Como ele continuava ruim, ligamos para sua vovó Cecília, que veio nem sei em que velocidade com a baratinha dela, é assim que ela chama o carro que você e a Gabi, sua prima, vão aprender a dirigir, legal né? Bem voltando às dores do papai, eu realmente fiquei preocupada, pois além da febre e as dores no corpo, ele ficou branco, parecia que não tinha uma gota de sangue no corpo. A vovó levou o papai para o hospital enquanto você dormia, e eu não conseguia pregar os olhos, pois o médico que examinou seu pai desconfiou de pneumonia, imagina como a mamãe ficou, mas graças a Deus ele estava errado, era só uma gripe muito, muito forte. Depois de tomar muitos remédios o papai melhorou e voltou para casa, ufa que madrugada!!!!

Bem, vou parar de escrever para dar de mamar para você e te curtir o máximo que eu puder, enquanto segunda-feira não chega. Ainda bem que teremos o sábado e domingo inteirinhos só para nós duas.



Beijos de saudades!!!

Te amo filha.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

1, 2, 3, testando...

Filha, você sabe que não paro de pensar em você né?
E hoje, navegando em seu blog descobri uma ferramenta para postar o que vem na minha cabeça, por e-mail, direto pro blog.
Não otimiza em nada, e dá quase na mesma, estou logado, enviando um e-mail pra mim mesmo, mas mesmo assim resolvi testar.
Na verdade, é só mais uma desculpa para escrever pra você e te lembrar que eu...
Te amo, filhona!!!!

Papai.
P.S. Se vocês estão lendo é por que o teste deu certo, certo?

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Pé, pé de chulé!

Oi filhona!

Hoje você nem dormiu né? A mamãe adorou! rs.
Pois é, 4 da manhã, acordada, fazendo algazarra na nossa cama, um barato, o quarto todo escuro e você lá brincando. Quando eu acendia a luz do celular ao invés de você olhar pra luz, olhava pro papai e sorria.

Nesta hora, não tem sono, nem cansaço, que cena linda filha!


Mas não escrevo por isso hoje não, revirando alguns arquivos no meu computador, encontrei um desenho que fiz logo após um de seus primeiros ultrassons, depois que vimos nele o seu pézinho, na época "já" tinha 3cm.

Grande, não?

Ainda mais comparando com esta chulapa tamanho 18.

Meu pé de chulé!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Parece que foi ontem.

Tá certo, Mi, não são 4 anos ainda, mas a cada dia que te vejo, me surpreendo com seu tamanho, afinal, são 64cm e 6400kg.

Sou coruja mesmo, mas vocês hão de concordar: contra números,
não há argumentos.

E parece mesmo que foi ontem, ao seu lado os dias voam, todo o tempo que passo com você é pouco, filha.
E hoje, dia 14 de setembro, você completa o seu 4º mesversário.

Lembra que lhe falei que enquanto eu viver, sempre irei comemorar os dias 14?


Então hoje não poderia ser diferente!

Com um bolo de brigadeiro, que você por sinal adorou, além da velinha que mais parecia fogos de artifício, comemoramos 4 meses do dia que mudou nossas vidas, do dia do seu aniversário, do dia que ganhamos o maior presente que eu alguém poderia ganhar!


Que sua vida seja sempre regada a alegrias, saúde e festa!

Sempre!

terça-feira, 13 de setembro de 2011

domingo, 11 de setembro de 2011

Era uma vez.

Filha, ontem quando cheguei da aula, ganhei a missão de fazer você dormir para a mamãe, não, missão não, um presente!

Você já tinha mamado, era só te ninar e pronto, mas tinha que ter uma estória, e então, me lembrei de uma estória de uma anjinha linda que era mais ou menos assim:

Era uma vez uma anjinha que morava lá em cima, em uma nuvem linda, ao lado do Mestre, do Papai do Céu.

E ela ficava lá de cima imaginando quando seria o dia que ela poderia descer e viver sua vida aqui embaixo, assim como ela via lá de sua nuvem de algodão.

Há alguns anos, mais precisamente em 1976, ela acompanhou de sua nuvem o nascimento de um menino e 3 dias depois, de uma menina.

Ela ainda não sabia por que, mas resolveu acompanhar a partir daquele dia como seria a vida destas duas crianças, talvez para aprender um pouco mais sobre como seria quando ela viesse morar aqui, isto se Papai do Céu, deixasse, é claro.

Ela seguia os passos dos dois, sabia que a menina adorava crianças, pois até professora de uma escola infantil ela foi. O menino, como todo garoto, adorava jogar bola na praia, pois passou sua infância lá. Eram estudiosos, a menina, um pouco mais que ele, mas o menino também tinha notas boas e nunca, nenhum deles, deram trabalho para seus pais, cresceram, viraram adultos e começaram a trabalhar, com um “Q”de Eduardo e Mônica, se conheceram, mas em uma agência de publicidade e lá engataram um namoro.

Um tempo depois, aquele menino e aquela menina compraram uma casinha e mesmo sem geladeira, fogão ou máquina de lavar, nem armário para roupa, não esperaram nem mais um dia para irem juntos pra lá.

Foi quando a anjinha pensou: “É lá que quero morar, adorei aquela piscina” – Afinal, de sua nuvem, caia água, mas ela nunca tinha sentido a sensação tão gostosa quanto ela poderia imaginar ao ver as pessoas nadando aqui embaixo, ela estava sempre em cima dela!

Foi quando ela decidiu utilizar suas asinhas e voou até um portão imenso, todo dourado e cheio de anjos, que tocavam flautas, não harpas, flautas, como aquela do Ian Anderson, do Jethro Tull.

Lá morava o Mestre!

Os anjos deixaram a anjinha entrar, já sabiam qual era seu desejo.

Ela com a licença Dele, entrou em um lindo salão, iluminado e tranqüilo, e rodeado com mais anjos musicistas, ela chegou ao lado do Papai do Céu e disse:

“Papai do Céu, escolhi meu papai e minha mamãe na Terra, é lá ó, lá naquela casinha que eu quero morar, o senhor deixa?”

A resposta Dele não foi a que a anjinha esperava.

“Não anjinha, ainda não é a hora, eles tem que merecer ter você com eles lá embaixo, você vai ter que esperar”.

A anjinha entendeu, aceitou o que o Mestre lhe dissera, mas mesmo assim voltou para sua nuvem com algumas lágrimas naqueles lindos olhinhos, que a partir daquele dia, acompanharam ainda mais os passos daqueles dois, torcendo para o dia em que o Papai do Céu, a autorizasse a conhecer a piscina que ela tanto gostou lá de cima.

Alguns anos se passaram, o menino e a menina nem se davam conta que estavam sendo “monitorados” por uma anjinha e que tinha neles dois, um exemplo.

Trabalhavam duro, mas tinham bastante amigos, se divertiram e viajaram muito, conseguiram até realizar dois sonhos, conheceram o Maracanã em dia do jogo do São Paulo contra o Flamengo e viajaram até a Argentina para passear e fazerem compras.

Aproveitaram, de muitão.

Foi aí que o Papai do Céu resolveu chamar a anjinha, afinal, depois daquele dia, ela nunca mais voltou para falar com ele, sabia que tinha que aguardar o momento que Ele já lhe havia pedido.

Dois anjos, daqueles com flautas, foram até a nuvem da anjinha, com um recado do Mestre, que dizia:

“Anjinha, agora você vai poder conhecer o mundo lá embaixo, chegou a hora”.

Sim, e esta hora foi as 14:55, do dia 14 de maio de 2011, enviada do céu, por Deus, chegou em nossas vidas uma anjinha chamada Millena Maria Morelli.

O que será que estes dois fizeram de tão bom nesta vida para merecer uma benção tão grande?


sábado, 10 de setembro de 2011

Família Feliz.

Na onda dos adesivos personalizados...


Até que ficou melhor do que muitos que vemos colados nos carros por aí, não é mesmo?

Eu tenho Bisa, e ela é o maior barato.

Millena, dia 8 de setembro é o dia do aniversário da sua Bisa, em 2011, esta data caiu em uma quinta-feira.
Mais um ótimo motivo pro papai matar aula (já falei que você não vai poder fazer isso hein?
A não ser que avise, a mim ou a mamãe onde você vai estar, nada de sumir da aula sem deixar a gente saber para onde a senhorita foi, hein?) e fazer uma surpresa pra minha vó, ou melhor, sua bisavó.
Não liguei pra ela a tarde toda, deixei-a pensar que tinha esquecido a data.

No final de semana anterior já começamos a preparar a surpresa, com o body que ela lhe deu de presente antes mesmo de saber se você era a Millena ou o Filipi, nós fizemos um book seu e separamos várias fotinhos para colocar em 2 belos porta-retratos que demos de presente pra ela.


E a surpresa deu certo, o papai e a mamãe deixaram você na porta do apartamento dela, sozinha no carrinho, tocamos a campainha e saímos correndo.

E como duas crianças, nos escondemos atrás da porta das escadas para ficarmos olhando, só por uma frestinha, a reação da Bisa quando abrisse a porta.

Ela só viu, você, o carrinho e o presente.

Três crianças, para dar um presente para duas pessoas amadas, seu Biso e sua Bisa!

No final de semana, estamos lá de novo, é o dia oficial da festa, com bolo, parabéns a você além dos tangos e das músicas italianas cantadas pelo titio Vicente.

Parabéns Vó, Parabéns Bisa!

Te amamos!

Amor a Mil!

Desculpe o trocadilho filha, mas era inevitável.

Não vou ousar comparar nenhum tipo de paixão nem o tamanho do amor que sinto por você com nada na vida, até porque nem sei o quanto te amo, é incalculável, imensurável, não dá pra saber,
quando meu neto ou minha neta nascer você vai entender!

Mas depois de vocês (nisto incluo a mamãe, a vovó, o vovô....), vêm também uma grande paixão que tenho: chama-se São Paulo Futebol Clube!

Então hoje, o post é tricolor, filha.

Nesta última quarta-feira, estive no sacrossanto Morumbi, para acompanhar mais uma partida que marcou uma parte da história de nosso time. E taí a prova, até no jornal do dia seguinte eu saí, é, este gordinho, com a camisa preta 01, é seu Pai!

Lembra que te contei a história do Rogério, um goleiro que mais parecia um meia esquerda que joga no gol? É, ele mesmo, Mi, um goleiro que defende como poucos lá atrás, que faz gols (quando lhe escrevo isto, a conta estava nos 103 gols marcados). Que já ganhou sozinho um título mundial pra gente e como goleiro, foi artilheiro do time em uma Libertadores de América, e o mais importante, na campanha do Tri.

Pois é, Mi, e nesta quarta-feira, 7 de setembro de 2011, foi o milésimo jogo deste M1to com o manto tricolor.

Esta é a segunda vez que vou ao Morumbi desde que você nasceu, mas ontem senti algo diferente.

O estádio lotado, diversas famílias, crianças, não tinha como não imaginar você lá comigo e com a Mamãe (não se esqueça que você já estreou no Morumbi, lembra deste capítulo: 6 Meses, Crepes e Morumbi ?). Mas uma cena me chamou muito a atenção e quase chorei ao lembrar (ou melhor, relendo – chorei).

O Morumbi e o ingresso histórico.
A arquibancada cheia, todos inquietos com o jogo difícil (é filha, nosso time é o atual líder do campeonato, mas não gera confiança pra ninguém) e ao meu lado senta-se um senhor e uma menina, ele aparentemente com uns 55 anos, ela, uns 14, 15...O cuidado dele com ela, ao passar o sorveteiro: ”Você quer um sorvete, filha?”.
O abraço e o beijo na hora do gol, me fez pensar em você daqui estes 14, 15 anos, indo ao Morumbi comigo, mas com uma grande diferença: A mamãe vai estar junto, pois adora um joguinho no Morumbi também!

Quarta-feira, 7 de setembro, um dia inesquecível no Morumbi, filha.

Eu estava lá, adorei ver o jogo 1000 do M1to, mas adorei saber que nada me faz mais feliz no mundo do que saber que tenho você na minha vida.

Minha são-paulina!

Papai, porque o São Paulo só Perde?

Como já deu pra notar aqui no blog, sou um São Paulino fervoroso, desde muito antes de me meter nessa de ser escritor amador. Mas nessas o...